Reforçar o raciocínio e o julgamento pela filosofia

Card Ensino

Até aqui tentei mostrar que, sem a filosofia, a formação cognitiva estava condenada ao fracasso. Permitam-me agora defender o argumento oposto, afirmando que a presença da filosofia no ensino fundamental não poderia tampouco assegurar o êxito da formação cognitiva. Entendo a filosofia aqui em seu sentido tradicional e acadêmico: a das universidades, que as crianças rejeitariam devido à sua aridez e porque não veriam nenhum interesse nela.

Continuar lendo

Memórias do IV Workshop de Filosofia e Ensino

card-memorias

Em tempos nebulosos, é sempre bom vislumbrar nem que seja apenas uma nesga de raio de sol. A última semana, iniciada no dia 26 de junho, nos concedeu dois desses raios: o I Vozes Femininas na Filosofia e o IV Workshop de Filosofia e Ensino. Embora essas memórias sejam apenas sobre o segundo evento, gostaria de observar que o Vozes encheu auditórios como poucas vezes vi antes, o que evidencia uma pauta latente até então não levantada.

O Workshop, já vigorando em nossas agendas educacionais, de sua parte levanta uma pauta sempre necessária, hoje mais do que nunca: Qual Ensino Médio? Qual Filosofia?

35204598470_9a3d9fbcd9_o

Mostra PIBID Filosofia

Continuar lendo

Desaforismos & Atrevimáximas

Card Literatura

Criatura divina, expressão viva da poesia, quantas religiões você já criou hoje?
***
Nasci sem olhos, vivi sem boca, morri sem mãos.
***
Troco meus cinco sentidos por um milésimo de tua imortalidade sem sentido.
***
Chifres e um cheirinho de enxofre. Na cobertura VIP do edifício Pandemônio, enquanto o Excomungado confessa a Satanás, em delação premiada, que injetou dinheiro ilícito na chapa Capeta-Canhoto, um grupo de tinhosos faz abaixo-assinado pro Maligno lançar sua candidatura, do contrário em 2018 o Coisa-Ruim é que sentará o rabo no trono de ferro. Mais abaixo, muito mais abaixo, no Infernus do Feicebuque, os anjinhos de procissão vociferam que o voto não é uma ilusão e Deus não está morto.
Continuar lendo

18554545_10213275429146195_1211657393_n

És dona do sorriso
mais puro e infantil
A conjugação dos olhos
misto de ternura e sabedoria
ira e força
Mescla a expressão
Ora de pureza irrevogável
Ora de lascívia irreprimível

Teu corpo é templo
no qual rogo
Dissipe em mim o
ardor do desejo
e me submeta ao rigor
de suas penitências
e salva-me a alma
no gozo meu e vosso
que nos confunde e inunda
com o sabor do mundo.
Purifica-me
e nos encontramos
no Paraíso.

(2017)

O nascimento da Vênus

Card Literatura

“Como ele me vê?”, perguntou-se ela. Levantou-se e pegou um espelho
comprido que colocou no chão, encostado a uma cadeira. Sentou-se então diante
do espelho e abriu lentamente as pernas. A visão que teve foi encantadora. A pele
era imaculada; a vulva, rósea e cheia. Pensou nela como a folha da seringueira
com seu leite secreto que poderia ser produzido pela pressão de um dedo, o
líquido oloroso que vinha como o que se desprende das conchas do mar. Assim
tinha nascido Vênus do oceano, com aquela pequena semente de salgado mel
dentro de si; apenas carícias poderiam revelar os ocultos segredos de seu corpo.

– Anaïs Nin, “Mathilde”, Delta Vênus – Histórias eróticas p. 31. Porto Alegre: L&PM, 2013.

nascimento-de-venus

O nascimento da Vênus, Sandro Botticelli

 

O valor da literatura

resenhas

“De que valem os versos contra os canhões e a bestialidade? Publique se quiser, se permitirem. Não há mais lugar para a poesia no mundo. Nem voltará a haver”, é o que responde o poeta Antônio Bruno ao editor de uma revista que pede autorização para publicar uma sua poesia, “Canto de Amor para uma Cidade Ocupada”. Os canhões e a bestialidade fazem referência à Segunda Guerra Mundial, e a cidade ocupada de que trata seu poema é sua querida Paris. Me parece que o escritor Raduan Nassar se deparou com problema semelhante na cerimônia do Prêmio Camões: de que vale a literatura diante de um governo ilegítimo?

IMG_20170402_172613

Farda, fardão, camisola de dormir, Jorge Amado

Continuar lendo

Do amor a Platão – IV

Modelo Card

Por Victor Hugo

Iniciei a aula lembrando os alunos sobre as aulas anteriores do professor Matheus, principalmente sobre o que foi discutido sobre amor nas aulas sobre O Banquete. E então perguntei o que eles entendiam por amor platônico. “Amor obcecado, amor não concretizado, amor não correspondido”, todas as respostas foram corretas, mas nenhuma chegou na palavra que eu queria, contemplativo.
Continuar lendo